Sexta-feira, 25 de Novembro de 2005

OS CAMELOS

camelo.jpg

 

Não é novo de verdade
Nem mais do que uma tolice
Dizer como novidade
O que antes alguém já disse!

No meu quarto de dormir
Pintalgado de amarelo
Vejo a sombra dum camelo
Que me parece a sorrir.

São sobras dum pesadelo
Que me vem tomando à meses
Em que aparece um camelo
A maior parte das vezes.

Advirá esta chatice
Das muitas cousas que eu ouço
Tão cheias de camelice
Que esquecê-las já nem posso?

Camelos livres de bossa
Aos olhos despercebidos
Ficam presos nos ouvidos
Que não são de casca grossa.

Nas imensas atmosferas
Do pensamento profundo
Se esboroam as quimeras
Dos camelos deste mundo!

publicado por Abel às 21:32
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds