Quinta-feira, 27 de Outubro de 2005

CORDAS VOCAIS



Procuro estender a mão
E na mão de outrem tocar
Não consigo lá chegar
Meus esforços são em vão.

De tudo já tenho feito
Elogios e censuras
Coisas certas e loucuras
Sempre sem qualquer efeito.

De voltas e de rodeios
De avanços e de recuos
De remoques e de amuos
Os meus dias tenho cheios.

Quando uma pedra gelada
Se encontra no outro lado
Se o gelo não for quebrado
Não se pode fazer nada.

Frieza sem estação
Leito de rio fora de águas
Todo coberto de fráguas
Espalhadas pelo chão.
tags: , ,
publicado por Abel às 21:30
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds