Segunda-feira, 14 de Novembro de 2005

QUADRAS VÁRIAS



Quem já se encontra a perder
Deseja profundamente
Lhe traga o seu bem querer
A alegria que não sente!

No calor duma lareira
Noutra coisa não penso eu
Numa hora derradeira
Contigo junto à lareira
Eu hei-de chegar ao Céu!

Quanto maior for a subida
Tanto maior é a queda
Uma punição desmedida
Pode levar à própria perda!

Mal saí do meu recato
E já vivo arrependido
E bastante ressentido
Dalguma falta de tacto.

Quando tocam as campainhas
Tudo sai muito melhor
São as palavras rainhas
E brilhante o orador.

Tocaram as campainhas
Graças a Nossa Senhora
As palavras quais rainhas
Honraram a oradora!

Quando tocam campainhas
Dos que sabem redigir
As palavras são rainhas:
Como eu as gosto de ouvir!

Um oceano infinito
Traz consigo a tua voz
Com ela, digo e repito,
Eu nunca me sinto a sós!

Tout à coup j'ai écouté
Desirér bon appetit
Moi, j'avais déjà mangé,
Quand même jái dit grand merci!

A doçura do teu falar
É melodia de uma trova
É água de fonte a brotar
É o amor que se renova!

Voglio dirte , di tutto cuore,
In questo momento opportuno,
Chè son uno verseggiatore
chi già si trova in Auttuno!
 O e-mail é só correio
Que leva e traz informação
Não é um elogio, creio;
Que se peça do pé pra mão!

E, contudo, ainda aposto
Na meia hora seguida
De músicas de que mais gosto
Porque alegram a minha vida!

Permaneço no passado
Quando chego ao fim do dia
E vendo bem me dou conta
De que nada sei de novo
De que nada corrigi
Que soubesse mal sabido...

As mensagens que te envia
Meu coração solitário
São o semi-silêncio
São a semi-solidão
Que rompem o silêncio
Que habitam a solidão
Das outras horas do dia...

Simples se quer a palavra
E moderado o discurso
POrque por si a palavra
Encontra sempre o seu curso!

A lucidez sempre amiga
Não me deixa distrair
E para me não trair
Jamais anda distraída!

No Bilhete de Identidade
Passou Há muito o meu verão
Porém, bendigo a minha idade
Cada vez mais com mais razão!

Falar não é não estar em silêncio
Mas sim dizer o que se quer ou queria
Criar entre as pessoas empatia
Romper o ruído do silêncio!

Estas rimas que sempre fiz
E são versos que não 'scolhi
Não procurei nem pressenti
Alguém mas traz alguém mas diz!






publicado por Abel às 21:13
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds