Domingo, 13 de Novembro de 2005

AS ANDORINHAS

andorinha.jpg

Uma luz ao fim do túnel
Pode ser a luz em nós
Se não ficarmos a sós
Em 'scuridão insolúvel.

A brisa fresca ligeira
Numa tarde de calor
Ameniza a soalheira
E enxuga um pouco o suor.

Se for alta uma parede
Que não se possa trepar
Que jamais alguém se enrede
Por deixar de a contornar.

São as malhas duma rede
Ora largas ora 'streitas
As coisas que são bem feitas
Não haverá rede que as vede.

Tristeza e a alegria correm
Lado a lado como iguais
Se umas andorinhas morrem
Logo nascem outra mais!

publicado por Abel às 21:00
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds