Quarta-feira, 19 de Outubro de 2005

A ENTREGA



Afinal tudo depende
Da boa vontade humana
Cedo ou tarde se arrepende
Quem sobre a vida se engana

Se lançando em correria
Desnecessária e perdida
Fazendo de cada dia
Uma amargura de vida.

De olhos cegos à verdade
Seguindo um falso objectivo
Da cegueira tão cativo
Que não acha a liberdade,

A qual paira derredor
Flutuando na leveza
De quem vive na certeza
De que a vida é o amor!

Só numa constante entrega
Àqueles que mais amamos,
A liberdade alcançamos
E a nossa vida sossega...
publicado por Abel às 21:14
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds