Sábado, 15 de Outubro de 2005

O INDIZÍVEL



Perigos corridos em vão
São os que a vida 'stipule
Sem que haja a nossa intenção
Nem nada que nos 'stimule...

Mas a vida que conduzo
Só não será linear
Se dos perigos abuso
Porque algo quero alcançar...

Ouve-se lê-se não se explica
O poema que alguém criou
Não tem sucesso quem explica
O que o poeta já explicou...

Sem darmos conta nos vence
Qualquer pretexto invisível
Que por vezes nos convence
A dizer o indizível...
publicado por Abel às 19:49
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds