Quarta-feira, 5 de Outubro de 2005

AS MINHAS LUZES



Rodeado de arvoredo
E do aroma das flores
Oiço as aves em segredo
A falar dos seus amores.

Amores que são cruzados
Com meu amor atrevido:
Há pouco tempo nascido
Enche-me já de cuidados.

O meu coração sangrou
Sarou e ficou ileso
Agora que despertou
De novo de amor 'stá preso.

Preso e bem retorcido
Nas voltas que ele anda a dar
Alegre ou desiludido
Sorri ou põe-se a chorar.

Abençoado sou eu
Nestes dias que decorrem
Brilham estrelas no céu
As minhas luzes não morrem!
tags: , ,
publicado por Abel às 21:18
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds