Domingo, 21 de Agosto de 2005

FILHOS DO ALARDE



Batem asas enfurecidas
por constante formigueiro
de imaginárias formigas
dentro do corpo em carreiro...

A fúria gera conduta
repulsiva da amizade
que foge de liberdade
mais que por razão astuta...

As suas garras aduncas
esmagam sadios frutos
transfigurados em nuncas
por arremedos abruptos...

Os raios infravermelhos
que disparam o alarme
mostram atrás dos espelhos
orgulhos filhos do alarde...
publicado por Abel às 15:07
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. LÍNGUA PORTUGUÊSA

. PORTO CAMPEÃO

. CABEÇA LEVANTADA

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. AS HORAS

. PRIMAVERAS

. POEMAS DE RIMA CERTA

. UM LAMPIÃO

. A CHUVA

. O ENCURVADO

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds