Quarta-feira, 17 de Maio de 2006

AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE



Aos que vêm lá do leste
E são também europeus
Arranjar casa que preste
É coisa que brada aos céus!!!

Vivem muitos habitantes
Em precárias condições
Mas só estes imigrantes
Parecem dar ralações!!!

Agora já libertados
Do terrível comunismo
Deve ser só por cinismo
Que vêm  pra estes lados...

Eram uns pobres coitados
Lá na Rússia comunista
Agora mais abastados
Perdem a Rússia de vista...

Mas não queiram rejeitá-los
As pessoas altruistas
Que ajudaram a salvá-los
Das garras dos bolchevistas!!!
publicado por Abel às 17:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 26 de Fevereiro de 2006

JUÍZES E ADVOGADOS

juigados.jpg

Juizes e advogados
São gente da mesma igualha
Muito bem apalavrados
Contra eles Deus nos valha.

Caiste nas suas malhas
Delas não podes fugir
Tu ficas sem umas massas
E a dama fica-se a rir.

Não te metas em loucuras
Que podes te arrepender
Contra essas criaturas
Tu ficas sempre a perder.

Paga,paga e não bufes
Não penses mais na tragédia
Deixa-te mas é de arrufes
E faz dela uma comédia.

abel
publicado por Abel às 17:20
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2006

UM CRIME QUE NÃO SE VÊ

umcrimenaoseve.jpg

Não se pode falar comigo
Não se sabe lá bem porquê
Deve ser um qualquer castigo
Por um crime que não se vê.

Argumento com correcção
Em discurso bem razoável
Isso só é desagradável
Pra quem tem pouca formação.

Não te afastes ,ó criatura,
Dos que sejam mais instruídos
Porque os povos são oprimidos
Quando não há muita cultura.

Não te iludas que o inimigo
Não é doutrem a erudição
Plo contrário vive contigo
E se chama pouca instrução!

Abel
publicado por Abel às 15:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2006

O FUSO HORÁRIO

fusohorario.jpg

Ali vem o fuso horário
Eu já me sinto à rasquinha
Mas que terrível calvário
Me saiu este Capinha.

Histórias da carochinha
Muito gosta de contar
Um farsante este Capinha
Quem havia de julgar.

Os fusos e os meridianos
São tamanha confusão
E mostram bem sem enganos
Que o fuso é um trapalhão.

Sem qualquer discernimento
O incauto fuso horário
Faz do próprio conhecimento
Um mau conto do vigário.

Grande foi minha má sorte
Ao dar-me a reconhecer
Mas um tão grande desnorte
Não se podia prever.

Caso eu tivesse ignorado
Este tolo trapaceiro
Inda hoje era julgado
Doutor ou mesmo engenheiro.

Mais do que eu bem avisado
Inda alguém me aconselhou:
Olha que fuso é iletrado
Dá-lhe a salvação e andou!

Muito bem intencionado
Não segui tal sugestão
E assim me vi confrontado
Com este mau cidadão...

Abel

publicado por Abel às 23:27
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2006

MARCHA ATRÁS

fazocarro.jpg

Faz o carro marcha atrás
E às vezes até derrapa
Muitas delas inda escapa
Umas outras catrapás!

Há sempre um modo diferente
De abordar as mesmas coisas
Olhas bem e de repente
A tua atenção repoisas

Num pormenor agradável
Que trará ao teu discurso
Um novo e melhor percurso
Por certo mais admirável!

O tempo não se repete
Se renova a toda a hora
O grave erro não comete
De voltar ao que era outrora!

Abel

publicado por Abel às 22:22
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2006

UMA QUESTÃO DE GOSTO

cafe_manha2[1].jpg






Não achar graça nenhuma
Aos do Gato fedorento,
À carla e ao Zé Coimbra,
Será um sinal nojento

Duma vida na penumbra,
De velhice sem encosto,
Duma inocência ainda,
Ou de falta de mau gosto?

As graças de graça morta
Soam mal a quem escuta
Nem todos são gente bruta 
Nem toda a gente as suporta...

Devo, porém, referir                       
Que as rep'tidas da doutora
Me dão vontade de rir
Cinco dias numa hora!

No dia de São Valentim
Tenho um desejo específico
Que não se esqueçam de mim
Os do Oceano Pacífico...


publicado por Abel às 17:28
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2006

O DEMAGOGO

odemagogo.gif

Escreveu por linhas tortas
O que deveras queria
Mesmo assim o Paulo Portas
Teve uma grande arrelia...

Era sempre tão moderna
A sua vivacidade
Enquanto não teve à perna
O caso universidade...

Não passavam duma amostra
Aquelas velhas sondagens
Agora como resposta
Só vemos tristes imagens...

Rodeado de canhões
E de velhos submarinos
Acha que as acusações
São feitas só por cretinos...

Nunca mais mandam embora
Este reles demagogo
Nem ele vê que é a hora
De dar às de vila Diogo...

publicado por Abel às 15:37
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 31 de Janeiro de 2006

O NARCISO



Jesus, mar ou poesia:
De qual precisa o teu egoismo
Pra atenuar o narcisismo
E a vil hipocrisia?

Silêncio?! guarda-o tu
Que, nos ares, cheio de loas,
De ti mesmo tanto ressoas
Como um rei que vai nu...

O silêncio que é de ouro
Cultivas tu em seara alheia
Porque na tua a verborreia
Valeria um tesuoro!

Grande a imaginação!
Que em pouco ou nada se baseia
E que te prende numa teia
Quais grades de prisão...

Fúteis astrologias
E um nevoeiro imaginário
São as marcas do visionário
Preso a vãs fantasias...

Se não têm substância
São palavras ditas à toa
E não é quem as apregoa
Que colhe relevância...

Reais são só as causas
Que te deixam tão deslumbrado
Pois também eu fico espantado
Das tuas belas pausas...

E desses raros temas
Que são cópias escritas em prosa
Dos teus inefáveis poemas
Dum sonho cor de rosa...
publicado por Abel às 15:26
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2006

MENSAGEM POR "E-MAIL"



Pouco ou nada sei de burros
Inda menos de elefantes,
Porém, sei que são casmurros
Os eternos mal falantes.

Ó meu caro Joaquim Canas!
Não me venha com mais lérias,
Pra mim, as suas "bácterias"
Existem mas é o tanas!

Bactérias com "a" aberto
Está errado, já se vê,
O ler será sempre incerto
Pra quem não sabe o que lê...

O manguito foi citado
Um pouco cedo de mais
Pois devia ser mostrado
Às "báctérias" anormais...

Quiçá não fique engasgado
Com esta pequena espiga,
Lapso muito aligeirado
Pra minha tão grande intriga!

Ao Celestino, com estima,
Diga, se não se importar:
-Diz-se chegar lá acima
E não lá "em cima" chegar...

A inversão é só pra rimar!

Ao ecóico Júlio Heitor
Diga,com todo o respeito,
Que o purismo é um defeito
Dos que falam sem rigor...
publicado por Abel às 15:43
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2006

A VERDADE DO POEMA

ruas.jpg

São as ruas da cidade
Ora largas ora estreitas
Umas com sinuosidade
Umas outras bem direitas.

Também assim na poesia
Versos há que são bem feitos
Outros que são imperfeitos
Ou não ganham simpatia.

O saber que um poema traz
Não se encontra em quem o ler
Encontra-se em quem o faz
Se quem faz tiver saber!

publicado por Abel às 15:51
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.links

.Outubro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. AOS QUE VÊM LÁ DO LESTE

. JUÍZES E ADVOGADOS

. UM CRIME QUE NÃO SE VÊ

. O FUSO HORÁRIO

. MARCHA ATRÁS

. UMA QUESTÃO DE GOSTO

. O DEMAGOGO

. O NARCISO

. MENSAGEM POR "E-MAIL"

. A VERDADE DO POEMA

.arquivos

. Outubro 2015

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds